1. Início
  2. Ação Social
  3. Profissionais de Saúde do CHMT integram Carava Humanitária de resgate de refugiados de guerra

Profissionais de Saúde do CHMT integram Carava Humanitária de resgate de refugiados de guerra

Lyudmyla Belmeha, enfermeira da Unidade de Torres Novas desde 2014, e Oksana Zrazhevska, enfermeira também em Torres Novas desde 2018, são as profissionais de saúde do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) que integram a caravana humanitária de resgate de refugiados de guerra junto à fronteira da Polónia com a Ucrânia, organizada pelos 13 municípios da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo.

Esta missão vai disponibilizar um porto seguro nos concelhos do Médio Tejo, a 150 cidadãos de nacionalidade ucraniana – a sua esmagadora maioria mulheres, crianças e idosos.

As profissionais de saúde, de nacionalidade ucraniana, não hesitaram associar-se à iniciativa que mereceu a apoio incondicional do Conselho de Administração do CHMT, que disponibilizou o acompanhamento das profissionais de saúde nesta missão, e cedeu todo o material médico para prestação dos primeiros cuidados de saúde à chegada à fronteira da Polónia.

Lyudmyla Belmeha e Oksana Zrazhevska têm ambas familiares próximos a residir no país em guerra, e terão a seu cargo duas funções da maior importância nesta missão de resgate – a de intérpretes e a prestação de cuidados de saúde, como a testagem à COVID-19, que será efetuada a todos os refugiados, o tratamento de queimaduras provocadas pelas baixas temperaturas e desidratação, entre outros. As enfermeiras vão ainda preparadas com um kit de partos, na eventualidade de alguma cidadã ucraniana entrar em trabalho de parto durante a viagem até Portugal, que tem a duração estimada (ida e volta) de cerca de uma semana.

Lyudmyla Belmeha, 57 anos, diz-nos, a partir de chamada telefónica, já na fronteira entre Portugal e Espanha: “Não tenho medo, aceitei o desafio desde o primeiro momento e a minha vontade é ajudar mais!” Oksana Zrazhevska, 48 anos, parte segunda-feira de madrugada e partilha: “Esta missão é muito importante para mim. De momento não estamos a conseguir trazer as nossas famílias, pois estão a 800 km de fronteira. Assim, ajudando a trazer os outros vou… não sei… É uma necessidade de fazer algo!”

Quando perguntamos às profissionais de saúde como vão descrever Portugal às pessoas que vão resgatar, as enfermeiras do CHMT, não poupam nas palavras. “Vou dizer-lhes que vão sentir-se em casa e entrar numa Ucrânia mais pequena e com muito mais calor! Portugal, para mim, parece um museu a céu aberto”, diz Lyudmyla Belmeha. Oksana Zrazhevska remata: “Não há nenhum país igual a Portugal, quando acordas de manhã e encontras a tua porta um saco de batatas ou ameixas, ou alfaces. Ou onde toda a gente perguntar se tu precisas ajuda. Estou sem palavras. Estou grata!”

À chegada da caravana humanitária à região do Médio Tejo, todos os cidadãos ucranianos serão atendidos no CHMT, por uma equipa dedicada, que integra dois médicos de nacionalidade ucraniana, que examinarão o estado de saúde dos refugiados, como explicarão, na sua língua materna, o funcionamento e acesso ao Serviço Nacional de Saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Categoria(s):
Ação SocialDESTAQUESaúde
Menu